História

Igreja de Cristo em Parque Genibaú | Igreja de Cristo no Brasil | Hinologia

HISTÓRICO DA IGREJA DE CRISTO NO BRASIL

A IGREJA DE CRISTO NO BRASIL teve início no Nordeste, na cidade de Mossoró - RN. Organizada em 13-12-1932 por membros oriundos da Assembléia de Deus naquela mesma localidade, os quais voluntariamente entregaram suas credenciais de Ministros àquela Igreja irmã, por motivos doutrinários.

Seus líderes da organização inicial foram:

Pastores:
- Manoel Higino de Souza
- João Vicente de Queiroz
- Gumercindo Medeiros
- Eustáquio Lopes da Silva

Presbíteros:
- Cândido Barreto
- Tomaz Benvindo

Evangelistas:
- João Morais
- Domingos Barreto
- Francisco Alves

Todos os líderes organizadores encontram-se atualmente na glória do Senhor Jesus Cristo. O último pioneiro que permaneceu mais tempo entre nós, foi o Pr. João Vicente de Queiroz, que pastoreou a Igreja de Cristo em Fortaleza-CE., por longos anos, de 1946 a 1997, tendo passado a morar com o Senhor Jesus no dia 17 de agosto de 1997, com mais de 91 anos.

Glória a DEUS pela obra deixada por nossos amados irmãos em Cristo.

MOTIVOS QUE LEVARAM A ORGANIZAÇÃO DA IGREJA DE CRISTO NO BRASIL

Motivo Doutrinário - Salvação eterna do crente genuíno, concedida pela Graça de DEUS, sem levar em conta méritos próprios. EF 2:8-10; Rm. 5:1-2; 8:1-2, 31-39.

Segundo a entrevista do Pr. João Vicente de Queiroz, concedida ao Pr David Marroque Teixeira, no Boletim Informativo da Região Oeste-RN., nº 09 de fevereiro de 1985, houve uma divergência doutrinária entre os dois Missionários da Assembléia de Deus no Nordeste, Samuel Nysrtron e Gunnar Vingren, com respeito a salvação de graça por meio da fé, sem o concurso dos méritos próprios, e a segurança eterna do crente genuíno, “vindo posteriormente a se separarem, indo Gunnar Vingren morar em Petrópolis - RJ., e lá fundou o jornal Som Alegre e um hinário com o nome de Saltério”. A partir daí, então, passou a existir dois jornais e dois hinários, sendo:

a) No Rio de Janeiro, o jornal Som Alegre e o hinário, o Saltério.

b) No Nordeste, o jornal Boa Semente e o hinário, a Harpa Cristã.

Continou o Pr. João Queiroz, na sua entrevista, dizendo: ...”Nós aqui no Nordeste cantávamos no Saltério e na Harpa Cristã e líamos o jornal Boa Semente e Som Alegre, sem nada percebermos”, pois para nós não havia nenhuma divergência, devido o assunto ainda estar encoberto”.

Numa convenção realizada em Natal-RN., foi dado o primeiro passo histórico, que evidenciou a divergência doutrinária existente, “tentando acabar essa questão”, até então oculta aos saudosos irmãos pioneiros da Igreja de Cristo.

Após esta convenção desapareceram os jornais Boa Semente e Som Alegre e o hinário Saltério, continuando a ser usado a Harpa Cristã e o jornal Mensageiro de Paz, que, depois mudaram o nome para Mensageiro da Paz, o qual permanece até hoje.

Aconteceu então, que em certa feita, saiu no referido jornal duas publicações diretamente contraditórias: A primeira bastante inspirada do irmão, JOSÉ BEZERRA DE MENEZES que defendia com base na Bíblia, a doutrina da justificação pela fé e a salvação eterna do crente genuíno, citando Ef.2:8-9, que diz: “de graça sois salvos mediante a fé, isto não vem de vós, é dom de Deus, não vem das obras para que ninguém se glorie”. A segunda de autoria do missionário, Nils Kastberg, que em contradição disse: “Que os irmãos trouxessem os dízimos ao tesouro da Igreja, porque é um dever de cada crente, e tomassem cuidado, porque muitos crentes já estavam no inferno, por não pagarem os dízimos do Senhor”. Com isto houve um grande abalo entre os irmãos pioneiros que tinham a convicção da doutrina da salvação eterna de graça mediante a justificação pela fé em Jesus Cristo. (Rm. 3:21-28; 5:1-2; Gal. 2:16.)

Nesta revelação, DEUS mostrou-lhes através de sua Palavra que uma vez salvo, salvo para sempre, e quem é filho de Deus é para sempre filho e morre como filho de Deus. (Jo.1:11-13; 10:27-29; Rm.8:1-2; 31-39).

Assim sendo, segundo Nils Kastberg, a salvação estaria condicionada até mesmo ao dízimo!!!

Houve também outra contradição doutrinária evidenciada na Harpa Cristã de 4a. edição de janeiro de 1932, entre os hinos 138 e 418, a saber:

Hino 138 - Autor: José Felinto - Neste hino está claro a salvação eterna do crente genuíno em Jesus Cristo, vejamos:

1a Estrofe Coro
”Do céu à terra veio Jesus, Não é condenado quem nele crer
Em meu lugar morrer na cruz; A morte eterna não irá sofrer;
Tudo sofreu para me salvar; Já livre pode cantar o louvor;
Junto a Ele quero estar. A Jesus, seu Salvador;

Hino 418 - Autor: Jahn Sorheim - Neste hino na última estrofe admite a possibilidade de se perder a salvação, contrariando a mensagem da segurança eterna mencionada no outro hino acima, vejamos:

“Oh Aleluia! Já está perto;
O dia da restauração.
Alerta, Alerta, irmãos queridos,
P’ra não perderdes a salvação
Jesus nas nuvens voltará
E para Si nos levará”.

“Isto causou um grande choque entre os irmãos que pediram uma explicação”.

Com essas publicações flagrantemente contraditórias, ferindo claramente a doutrina da segurança e salvação eterna do crente genuíno, pela graça e pela fé em CRISTO JESUS, um bom grupo de irmãos liderados pelos obreiros já mencionados como membros pioneiros da IGREJA DE CRISTO, NO BRASIL, elegeram a frente do movimento o Pr. Manoel Higino de Souza, para fazer uma carta ao missionário Nils Kastberg, pedindo para marcar uma convenção aonde ele achasse melhor, a fim de que estudassem esses pontos doutrinários, para que nenhum crente nosso viesse a errar quanto a essa doutrina.

Enviaram, então, uma carta solicitando a referida convenção, mas a resposta, que foi negativa, demorou a chegar. Então, combinaram com todos irmãos que tinham o mesmo pensamento, para estudarem o assunto com profundidade na Bíblia, jejuarem e orarem em busca de uma resposta do Senhor Jesus, desde o dia 20 de maio de 1932 a 13 de dezembro de 1932. Neste momento chegou a resposta da carta negando a realização da convenção, contrariando a expectativa de todos, o missionário Nils Kastberg, disse “estar de acordo com os ensinos da salvação condicional, e quem estivesse aborrecido que saíssem para onde quisessem...” .

Diante desse impasse, e por não ter outra alternativa, todos os líderes acima mencionados, devolveram voluntariamente suas credenciais de Obreiros, à liderança da Assembléia de Deus, respectivamente de Pastores, Presbíteros e Evangelistas.

Assim sendo, no dia 13 de dezembro de 1932, tomaram a decisão histórica de definitivamente organizarem o trabalho da IGREJA DE CRISTO, em Mossoró-RN. Conforme citação do Pr.João Queiroz, constante do ANEXO 01, “um dos irmãos (pioneiros), mesmo na ausência de todos, para juntar e combinar, ele colocou o nome na casa de oração de “Assembléia de Cristo”. Porém, com base mais precisa na doutrina pura do Evangelho, orando e estudando os textos bíblicos de Mt.16:17,18; At.4:11; Rm.9:33; 16:16; 1Cor.3:11, compreenderam que o único nome a ser colocado como fundador da igreja é o de Cristo Jesus, nosso Senhor e Salvador.

Para não confundir a Igreja de Cristo que é o Seu corpo e Templo do Espírito Santo, com o prédio e a organização institucional, por revelação da Palavra de Deus, conforme Mc.11:17a; Is.56:7; At.17:24b, decidiram transcrever à frente dos prédios onde se reúnem os irmãos na localidade, a expressão: CASA DE ORAÇÃO DA IGREJA DE CRISTO, em obediência ao que está escrito na Palavra de Deus, e como ensinou Jesus: “E os ensinava dizendo: Não esta escrito? A minha Casa será chamada por todas as nações CASA DE ORAÇÀO?”.

Este fato está comprovado pelo referido entrevistado, quando mencionou que em 24 de janeiro de 1934, por ocasião da inauguração do primeiro templo, em mossoró - RN, “foi colocado (definitivamente) o nome de Casa de Oração da Igreja de Cristo” (Pr. João Vicente de Queiroz). ANEXO 01.

Fica evidente que os irmãos pioneiros obtiveram de DEUS uma revelação, estudando a Palavra, pois como disse Jesus: “Não foi a carne nem o sangue que to revelou, mas meu Pai que está no céu” (Mt.16:16-18).

Resumidamente foram assim definidos estes pontos doutrinários básicos:

Houve um tempo de longa reflexão, desde o dia 20-05-32 ao dia 13-12-32, de aproximadamente 6 meses, para poderem definir mais precisamente os principais pontos doutrinários, da SALVAÇÃO ETERNA DO CRENTE GENUINO , PELA GRAÇA DE DEUS, SEM CONCURSO DO MÉRITO PRÓPRIO, O GOVERNO TEOCRÁTICO-CONGREGACIONAL, QUE EMANA DE DEUS, E A IGREJA DE CRISTO, ÚNICA, INVÍSIVEL , QUE É SEU CORPO MISTICO, que estão assim definidas na Base de Fé e Doutrina:

1. Doutrina da justificação pela fé, salvação eterna do crente genuíno, sem o concurso do mérito próprio. A justificação do pecador é somente pela graça de Deus, na suficiência do sangue remidor de Jesus Cristo, com eterna segurança. Jo.10:27-29; Rm.5:1,2; 8:1-2,31-39; Ef:2:8-9.

A doutrina do governo da Igreja é: O GOVERNO TEOCRÁTICO CONGREGACIONAL, o governo que emana de Deus, que é exercido soberanamente por Cristo como Senhor e Cabeça da Igreja, através dos Dons e Vocações Ministeriais concedidos aos seus Obreiros vocacionados, isto é, a prioridade do Ministério está na vocação e no Dom Ministerial dado pelo Senhor Jesus, como está no item 2, assim:

2. Governo Teocrático-Congregacional, o governo que emana de Deus, sendo Cristo a cabeça soberana de Sua Igreja que é o Seu Corpo, e de todo principado e potestade, porque é tudo em todos, para que em tudo tenha a preeminência. (Mt.9:37-38; At.13:1-4; 1Cor.12:12-31; Ef.2:11; 4:11-16; 5:23,24; Col.1:16-20; 1Pe.2:6.)

A doutrina da Igreja como corpo de Cristo, à qual pertencem todos crentes genuínos em todos tempos e lugares, que serão ressuscitados, trasladados e arrebatados na 2a. vinda do Senhor Jesus glorificado, a saber:

10. Uma única Igreja de Cristo, Invisível, Santa e Universal, que é o Corpo de Cristo, à qual pertencem todos os genuínos cristãos, que serão ressuscitados, transformados, trasladados e arrebatados, na vinda de Jesus, como IGREJA TRIUNFANTE, e que na terra se manifesta nas Igrejas locais, como IGREJAS MILITANTES. (Mt.16:18; 1Cor.12:12-13; Ef.4:1-16; Col.4:15; Rm.16:4,5,16; Ap.2:1,8,12,18; 3:1,7,14).

As demais doutrinas básicas que foram paulatinamente ordenadas, foram definitivamente aprovadas no Concílio de 1978 realizado em Mossoró - RN., presidido pelo Pr. João Vicente de Queiroz e Secretariado pelo Pr. Gidel Dantas de Queiroz, e agora estão registradas no Artigo 03 dos Estatutos da IGREJA DE CRISTO, NO BRASIL, as quais estão, à disposição de todos irmãos, com os Pastores e Dirigentes das Igrejas locais.

Desde então a IGREJA DE CRISTO tem estado à disposição do SENHOR da Igreja, trabalhando ininterruptamente na propagação do Evangelho de JESUS CRISTO, levando assim milhares de almas ao arrependimento e a fé no FILHO DE DEUS.

A IGREJA DE CRISTO NO BRASIL é uma obra genuinamente brasileira. Nossos vínculos eclesiásticos fora e dentro do Brasil, são apenas de ordem espiritual com todas as demais Igrejas reconhecidamente evangélicas.

...
- Nossa Missão
- Propósitos
- Nosso plano
- Nossa História
- Nossa Equipe
- Valores
- O que cremos
- Onde estamos